« Home | Não ao vão de escada » | Ségolène, on t’aime » | CONGRESSO DO PS » | Eu não iria por aí » | Isto não pode passar em claro » | Passatempos » | O sistema » | Falsos moralismos » | Kinder surpresa » | Agarrem-se... » 

sexta-feira, novembro 24 

Parabéns, tele-evangelista da Europa!

Se for só para crititicar, não faças o post, repeti-me vezes sem conta esta semana. Não farei o post, mas sinto-me na obrigação de transcrever partes de uma entrevista que o Presidente da Comissão Europeia deu ao Público.
"Durão Barroso, que enquanto primeiro-ministro português apoiou activamente a intervenção militar dos EUA e do Reino Unido no Iraque, reconheceu a gravidade da situação actual e as dificuldades que se seguiram à destituição do regime de Saddam Hussein, mas mantém a convicção de que o apoio demonstrado foi benéfico para Portugal. (...)
Para o ex-primeiro-ministro, Portugal "não perdeu nada", pelo contrário, "só ganhou credibilidade na ocasião". Exemplificou com o facto de, pouco tempo depois, ter sido convidado para o cargo que ocupa agora na UE, com o apoio de países europeus que se opuseram à intervenção no Iraque, como a Alemanha e França."
Tenho-me perguntado várias vezes se é benéfico para Portugal o Presidente da Comissão Europeia ser Português. Pode até não ser, mas começa a tornar-se cada vez mais óbvio que foi de facto benéfico para o país Barroso ter capitalizado assim, em proveito próprio, a Cimeira das Lajes. E nem é preciso cometer a heresia de, nem que fosse só por uma vez, acreditar no que diz Santana Lopes.
Pandora