sexta-feira, março 31 

Instinto simplex

O olhar embevecido de Sócrates para Guterres torna ainda mais claro que Sócrates não é Guterres. Um Ministro do Governo de Sócrates não é linchado na praça pública pela comunicação social; não há cá Fernandos Gomes sacrificados a bem da segurança dos Portugueses.
Aos interessados na demissão do Ministro Freitas do Amaral, deixo um conselho: parem de bater!

Pandora

quinta-feira, março 30 

Mas a merecer um post só para si é esta preciosidade da jóia de moço Nuno Melo

"O que o PS no Governo teoriza, já os Governos que o CDS integrou previam na prática e, se tivessem levado o seu mandato até ao fim, teriam concretizado"

(?)

(you sexy thing)

Dylan T.

 

E também já tinha desejado haver paz no mundo e sermos todos felizes, assim lhe permitisse o seu título e quisesse deus nosso senhor

Nuno Melo reclamou hoje para o seu partido o mérito de ter iniciado a reforma da administração pública nos governos que formou com o psd. O líder parlamentar do cds-pp sublinhou que foram os anteriores governos psd/cds-pp quem primeiro "alertou para a necessidade de racionalizar os serviços e diminuir os gastos públicos". - na Lusa

(e a vida é cada vez tão mais simplex para o primeiro-engenheiro)

Dylan T.

 

Providência, não, previdência cautelar

E porque não João Pedro George escrever os romances e Margarida Rebelo Pinto dar o nome?
Resolvia-se, proficuamente, o psicodrama da literatura nacional.

Adenda:
Margarida Rebelo Pinto - e não Haye(c)k, pasme-se - parece estar a causar agitação nas hostes. Será a tal de revolução cultural da direita?

Dylan T.

terça-feira, março 28 

Dicionário de simplificação administrativa do cenário político

JJ

Dylan T.

segunda-feira, março 27 

A partir de hoje, numa farmácia perto de si

durex1

Para uma relação sem medos com a administração pública.

Dylan T.

 

Há fados que não emprestamos a ninguém

Continua a correr mal, este diabo da descolonização. Depois de África, o Canadá.

Dylan T.

sexta-feira, março 24 

Sponsored by compal

Já tem hino actualizado, o cds, novo partido sexy:

Quando eu vi olhos de ameixa e a boca de amora silvestre
Tanto mel, tanto sol, nessa tua madeixa perfil, sumarenta e agreste

Foi a certeza que eras tu, o meu doce de uva

E noz sobre a mesa, o amor de morango e caju

Peguei, trinquei e meti-te na cesta, ris e dás-me a volta à cabeça

Vem cá, tenho sede, quero o teu amor d'água fresca

Tens na pele travo a laranja e no beijo três gomos de riso
Tanto mel, tanto sol, fruta, sumo, água fresca, provei e perdi o juízo

Ah... foi na manhã acesa em ti, abacate, abrunho
E a pêra francesa, romã, framboesa, kiwi

Peguei, trinquei e meti-te na cesta, ris e dás-me a volta à cabeça

Vem cá, tenho sede, quero o teu amor d'água fresca

Adenda: Diz-se que a última sensação no caldas é trocar as frutas por dirigentes populares.

Dylan T.

 

Quando as referências passam a ser teggys e nunos melos

eta

Algumas estruturas do cds ainda não se sentem muito à vontade.


Dylan T.

quinta-feira, março 23 

O ESTADO DA ARTE (cont.)

Existem livros que gostamos de ler mas existem outros que gostávamos de ter escrito:

CREATIVITY
Theory, History, Practice
Rob Pope
2005, Routledge

(para antes, durante ou depois da NADA)


Bunker

quarta-feira, março 22 

A razão de Alberto João

Não me parece haver nada de provocatório na vontade do governo regional da madeira em não comemorar o 25 de Abril. Apenas a nobreza de reconhecer que a população madeirense nunca chegou a perceber o que se comemorava.

Dylan T.

 

O pequeno mundo

João Gabriel, ex-assessor de imprensa de Sampaio, foi hoje enxovalhado pela generalidade da imprensa a propósito da sua (entretanto frustrada) intenção de ir como Conselheiro para a Embaixada de Portugal em Roma. Com muita ou pouca intencionalidade, directamente ou por linhas discretas. Nem me atrevo a fazer os links porque suponho que o blogger não tenha capacidade para tanto. Mas foi enxovalhado.
Não sei bem quem é que esta situação melhor caractiriza: o próprio? O Ministro?
A imprensa??...
Keizer Soze

 

Beijinhos, Fátima...




Ass: Sócras
Keizer Soze

 

Bimbo


Este cavalheiro é-me, normalmente, indiferente. Apesar de tudo, nunca argumentei contra o facto de os meus impostos suportarem a esmagadora maioria das suas diatribes porque sou dos que acreditam que o empenho fiscal é distribuido numa base de justiça distributiva solidária e não no critério da circunscrição geográfica. É, aliás, por essa mesma razão que me parece justo que o meu IRS vá parar à Madeira: quem tem que aturar este dromedário merece tudo. Aqui entre nós: quem votou sucessivamente nele, também merece o que tem...
Portanto, que o bimbo brinque lá na terra dele e dê traulitada nas pessoas de lá, também não é facto que me comova ou interesse.
Que venha brincar com a minha é que já não lhe admito. A insularidade do Estado de Direito Democrático em Portugal persiste no irregular funcionamento das instituições democráticas na Região Autónoma da Madeira. A Madeira continua a ser, enquanto este infeliz por lá permanecer, um intervalo da democracia ameaçador da segurança do país porque não há lá escrutínio nem a lavagem de dinheiros (possivelmente oriundos do terrorismo), nem em termos de tráfico de droga, só para citar alguns exemplos.
Proponho o embargo. Despacho exarado:
Ao Governo da República, com a minha concordância, especialmente quanto às considerações de segurança e de ameaça à integridade das fronteiras racionais de Portugal. À Armada para executar de imediato o embargo comercial e fito-sanitário daquela ilha situada, alegadamente, no Atlântico Norte.
A Administração.
Keizer Soze

terça-feira, março 21 

Da democracia na Europa

A Rússia branca desiludiu. Apesar do trabalho das incansáveis ONGs norte-americanas e europeias, a sociedade civil falhou - quero acreditar que apenas por falta de uma cor para abrilhantar mais uma revolução a leste.
Putin não tardou em felicitar o súbdito:
"Esticaste-te um bocadinho... Não podia ter sido 70% como eu? Ou, sei lá, 50.6%?!"
Pandora

 

APLAUSOS

APLAUSOS
Para aqueles que ficam
em lugar de irem abrir um bar na praia

Bunker

 

Actualité

iraque

Dylan T.

 

Actualidade

portas

O partido sexy, Pires de Lima dixit.

Dylan T.

 

SILÊNCIO

O Congresso do PSD, o conselho nacional do CDS-PP, a assembleia geral do Sporting, os jogos de futebol - todinhos, o PRACE, as reformas da segurança social, as OPAs, as manifestações em França contra o CPE, as declarações do ex-Primeiro-ministro-actual-Presidente da Comissão Europeia, a Fatah contra a policia palestiniana, as bombas no Iraque, a bomba do Irão...
NADA...NADA...NADA
Nos arranca deste silêncio.
Disseram-nos que a Primavera tinha começado.
Bunker

 

A leste do Paraíso II







'Vou só buscar o meu






.'


Pandora

sexta-feira, março 17 

A leste do Paraíso I


Não vão comprar de propósito, mas caso tenham algum interesse em perceber os meandros da política externa portuguesa, leiam a Sábado desta semana.

Um dia na vida de António Carneiro Jacinto, Ministro de Estado e dos Negócios Estrangeiros de Portugal (sublinhados nossos).

08h00 - Acorda e prepara-se para mais um dia de trabalho.
09h00 - O pequeno-almoço é composto habitualmente por café com leite, torradas e fruta.
09h15 – Sai de casa, em Cascais, rumo ao Ministério. No carro passa os olhos pelos jornais.
09h30 – Chega ao Ministério, acaba a leitura da imprensa e reúne-se com os colaboradores.
13h30 – Tem um almoço de trabalho no Ministério. É sempre à mesma hora, para evitar as crises de hipoglicemia.
15h00 – Regressa ao gabinete.
18h30 – Nos dias tranquilos, esta é a hora do regresso a casa. Em momentos de crise, fica, por vezes até às 22h00.
20h30 – Hora marcada para o jantar. Antes, Freitas do Amaral descansa no quarto.
22h00 – Lê o Herald Tribune, o jornal americano que traz sempre do gabinete.
23h00 – É a hora a que o ministro habitualmente se deita (i.e. dorme 9h).

Estamos com azar…
Pandora

quinta-feira, março 16 

A DEMOCRATIZAÇÃO DOS PERFUMES II

(De volta ao Mundo do Mais)
O povo compra perfumes e sente-se igual aos sonhos que os vendem. Quanto mais encharcado em perfume mais inebriante será o sonho. Com a democracia, o povo compra perfumes baratos e sonhos colectivos.
Na democracia capitalista, os sonhos querem-se exclusivos tal como os perfumes. Os perfumes têm nomes que ninguém conhece, elaborados por perfumistas como Frédéric Malle, Serge Lutens, Carthusia, Iunx, Jo Malone, Annick Goutal ou Creed.
A própria Guerlain, apercebendo-se dos tempos que correm, relança os seus antigos perfumes aos preços correspondentes na altura, cerca de 800€ por 100 ml; mas se quiser mais exclusividade, por 30 000€, poderá ter a sua própria fragrância após três encontros com o "nez" perfumista.
Reconforta-me saber que afinal os tempos não mudam.
Bunker

quarta-feira, março 15 

Défice de todos os Santos




Há dois tipos de crescimento económico para países como Portugal: há crescimento quando a riqueza produzida num ano é, efectivamente, superior à riqueza produzida por esse país no ano anterior - é o caso porque este ano produzimos mais 0,3% de riqueza em Portugal do que no ano passado; há crescimento quando nos aproximamos da média europeia, e para isso é (sempre) necessário crescer mais (em percentagem) do que os países mais avançados da UE. Bem mais.
O único tipo de crescimento que nos interessa é o segundo, e é necessária muita cautela quando se fala em retoma da confiança na economia e em crescimento económico quando estamos apenas no primeiro tipo.
Nem é por mais nada: os portugueses não sentem o primeiro tipo de crescimento, mas continuam a sentir os sacrifícios que lhes são pedidos para atingir o segundo.
O dia em que se venda gato por lebre (ou seja, o primeiro, pelo segundo tipo de crescimento) no discurso oficial do Governo, é o dia em que o Governo perde a legitimidade para conduzir esses sacrifícios.
O que vale é que ele sabe isso. E é por isso que está cá para durar.
Keizer Soze

terça-feira, março 14 

Centerfold

Da forma como se têm movimentado alguns entusiasmos e cenários, deverá estar para breve uma OPA da revista Atlântico sobre o CDS-PP.
E também aqui alguns balcões deverão ser fechados, naturalmente.

Dylan T.

 

Photomaton

O ministro dos negócios estrangeiros terá considerado como"compreensíveis" os actos de violência que se têm vindo a verificar entre alguns dos principais dirigentes centristas.
"Devemos fazer tudo ao nosso alcance para evitar cenários de guerra civilizacional e deve sublinhar-se que esses actos são condenáveis, mas compreendo-os, não no sentido de «sim, eu compreendo e estou consigo», mas que, intelectualmente, somos capazes de perceber por que isto acontece", terá afirmado Freitas do Amaral, antes de se afastar cantarolando the pictures on my wall, are about to swing and fall...

Dylan T.

 

Rigor e disciplina

Encontro acelerado com um assessor do Presidente da República transformado em ocasião para primeira troca de impressões.
"Rigor e disciplina, que é o que o país precisa", repetia-me ele, já com o semblante hirto à imagem e semelhança do chefe. "E tem sentido de humor". Com esta calou-me e arrancou a gargalhada serena de dia de acordar tranquilo ao sol de beira do mar.
Pandora

segunda-feira, março 13 

Fundamental MENE


Afigura-se fundamental que sobreviva alguém para ir explicando aos ignorantes como se consegue ser envergonhado, a pedido do próprio e com toda a licenciosidade, em frente às câmaras de televisão.
Pandora

sexta-feira, março 10 

Tomada de Pose - Toque real

Esmagadora a emoção do novo Presidente da República, imponente a presença da família a cada passo, programado o discurso no tom e na forma.
Duas notas apenas sobre uma cerimónia que em nada decorreu conforme planeado, mas que, como sempre, acabou por correr bem.
Medalha para João Bernardo que veio das Áfricas embrulhado num casaco de peles comprido e que, desde que pôs o pé em território luso, não parou de espingardar. Mas adiante que nesta altura já deve estar a soprar o apito.
Um brinde à rainha da festa, Letizia, apesar do empenho da modista de Maria.
De regresso à vidinha.
Pandora

 

Pois é Mouras:


a vingança é um prato que se serve frio. A gente trata disso, deixa estar.
O nosso teatro é melhor que o deles...



Keizer Soze.

quinta-feira, março 9 

A ARTE EM BOM ESTADO

Na estreia de um programa sobre o Estado da Arte falar sobre cinema americano apenas se pode explicar por se estar no Day After Oscar Night. Está explicado e aguardemos com calma pela próxima semana.
Se alguma coisa não está mal por aqui é o Estado da Arte apesar de ser surpreendente como se conseguem fazer omeletes sem ovos porque, como se costuma dizer, "não há dinheiro, não há palhaços".
Mas há palhaços e cada vez melhores!!!! Hoje dou o exemplo da revista NADA do João Urbano, onde colabora a Marta de Meneses que está ligada ao projecto do João Maria Gusmão e Pedro Paiva, Eflúvios Magnéticos.
A ligação entre a arte e a ciência é dos melhores projectos a que tenho assistido.
Deixo para o próximo programa o novo projecto editorial do Walter Hugo Mãe.

Bunker

 

O grupo parlamentar do PP



... segundo Ribeiro e Castro
Keizer Soze

 

O dia em que Soares se sentiu...


… velho pela primeira vez:
O facto de Mário Soares não assistir até ao fim à cerimónia de posse - com parlamentos, almoços, colares, jantares etc. – é perfeitamente legítimo. Mário Soares não deve a Cavaco a cortesia de concorrente eleitoral – como Alegre – nem a nós ou à República o dever do frete. É uma figura maior que nada deve a ninguém, a não ser a si próprio – o descanso.
Mesmo assim o facto de não cumprimentar o Presidente recém-empossado já me parece resvalar do direito para a birra. Custava-lhe 10 minutos de vida, dava (mais) uma lição de fair-play democrático – como prometeu na noite da derrota – e não se perdia no assinalar do facto de não ter cumprimentado – que é aquilo a que a sua existência, hoje, ficou resumida.
Soares, hoje, olhou para baixo e a barriga não lhe permitiu enxergar os pés. É que não viu nenhum assessor/camarada/filho/seguidor/interessado com paciência para convencer o velho a esquecer a birra…
Keiser Soze

 

MIRA TÉCNICA



... ah! diz que hoje, não sei quem... toma não sei quê da posse...?

Keizer Soze

quarta-feira, março 8 

PASSAGEM DE TESTEMUNHO

Do cessante para o vindouro:
Quando não se tem a aparência
do da esquerda
ou o dom
da palavra
do da direita
o melhor é aparecer pouco!
o pior é quando se aparece!


Bunker

 

É cinema a partir de quinta-feira

O presidente, todos os portugueses
Exerci-o (o cargo) sem nenhum esforço particular.

O evangelho, II
Demorei algum tempo a anunciar a decisão (nomear Santana Lopes), porque eu estava muito preocupado. O barulho ensurdecedor que havia para dissoluções... Eu quis ganhar tempo e fiz alguns contactos.

Credibilidade, essa ideia de compromisso político
Eu era contra a dissolução, porque isso seria fazer batota.

Não sejais atormentado pela ideia de não deixar de perder um amigo por amizade. Em alguns círculos dá pelo nome de socialismo.
Que é que eu hei-de fazer (demissão de Ferro Rodrigues)? Eu sou muito sentimental (?), mas nessas coisas, contrariamente ao que os portugueses pensam (?), sou muito inflexível.

E o socialismo também é uma rede. Fixa.
O cargo mais difícil de escolher será o próximo PGR. Souto Moura é um homem muito sério.

Balanço, o melhor
Timor-Leste.

Balanço, o pior
Só haver um Timor-Leste.

Escolher entre dois quadros de si mesmo, 1996-2006.


Dylan T.

 

Tomada de Pose - D - 19 horas

Os convidados vão chegando, com os PALOPs em peso e os Europeus quase desaparecidos... Parece que a Rainha da Dinamarca que, na primeira tomada de posse de Sampaio, teria saído da Assembleia com o corpo pintado de nódoas negras, andaria a espalhar uns boatos (só pode, nem a pérfida albion nos dá o prazer de uma visita cordial). O que nos vale é que Nino Vieira já por aí anda a abrilhantar as ruas de Lisboa. Diz quem percebe destas coisas de protocolo que procura um jornalista de um tal de Expresso.
Enquanto o Palácio de Queluz está a ser gentilmente aquecido pelo staff do Presidente eleito que lá se instalou provisoriamente, à Assembleia vão chegando os bolinhos para evitar quebras de tensão. Pugnaremos para que também os haja perto do Presidente eleito.

 

A Arte em mau estado...

Oh meus amigos:
A tomada de posse foi ontem na SIC Notícias. O cenário era um imaginário do Planeta Krypton (acho que era este o nome) do Super-Homem. Paulo Portas vestia camisa Victor Emanuel de goma imaculada.
As pérolas foram, ainda, tímidas: "Não há nada de mais primitivo do que um liberal a criticar um conservador - a idade mental deste filme (syriana) é muito diminuta."
"O mais importante em Colisão não é o racismo (... pausa para explicar que os pretos ainda são mais racistas, lá entre eles, que os brancos...) - é o melting pot!"
?
Glups...
Keiser Soze

terça-feira, março 7 

Tomada de Pose - Os preparativos

O chão encerado, tapetes e cortinados lavados - ainda lá estavam umas senhoras a passá-los a ferro para que os seguranças de Bush pai tenham onde se esconder. Algumas obras de Serralves foram retiradas, mas claro que deixaram ficar o filme em memória de Tiananmen em que um chinês carregando sacos de plástico é ameaçado por carros de supermercado e a fabulosa torre de Babel em madeira e vidro, dando um ar de andaime terceiro mundista aos passos perdidos.
A arte, pois então, em todo o seu esplendor personificado na maravilhosa banda, ou não fosse aquela a verdadeira 'casa do povo', aguardando, em grande azáfama, a chegada do Presidente eleito.

 

PAUSA NO DELIRIO

O país vibra de entusiasmo com os mais recentes acontecimentos.
Pela janela vejo passar um camião vermelho como os com que brincava em pequeno e sinto um aperto na garganta ao pensar na vida de cada um de nós.
Com que veneno se preencheu a distância entre os sonhos de então e a realidade?

Bunker

 

Tomada de Pose - Prólogo

Na guerra e na paz, na saúde e na doença, na alegria e na tristeza, o mesmo profissionalismo isento de sempre. Não perca, na sua Sala Oval, a cobertura em directo de todos os passos daquele que poderá vir a ser o futuro Presidente da República Portuguesa.
Os sonhos. Os projectos. As orientações.
Os convidados. As conversas. As toilettes.
Os motoristas. Os arrotos. As multas.
Os jornalistas. As leituras. As interpretações.
As ementas. Os vinhos. Os naperons.
Leia aqui o que os outros não vêem.

segunda-feira, março 6 

Tribuna de Boliqueime, 2006-03-04

A União Europeia de Cavaco são as quatro liberdades e ponto final. É também uma atitude colaborante com os EUA. Quero acreditar que não seja por não querer um projecto político europeu, talvez seja apenas porque, no seu entender de homem honesto de Boliqueime, é o que funciona, sem grandes custos materiais e políticos.
Curioso é que pelo menos duas dessas quatro liberdades estão hoje em causa. Enquanto a liberdade de trabalhadores é vista de soslaio com a entrada de Estados com mão-de-obra barata, a liberdade de capitais esbarra na defesa de gigantes nacionais.
O que fazemos? Saímos? E como sair se só o Tratado constitucional previa essa saída?
Pandora

sexta-feira, março 3 

Zelig:

Com açucar (e uma cereja em cima que é para ver se não belisco a esfera da tua liberdade de critério),
Keizer Soze
PS: o que é aquilo?

 

Pas de deux

A Fundação Gulbenkian faz anúncio da realização de um ciclo dedicado aos fenómenos migratórios.
Abrindo em grande, a conferência "A minha companhia de bailado".

Dylan T.

 

Tabus III

Eu vou... Eu vou...

 

Tabus II

“Não vem ninguém, não vem ninguém”, ouve-se bradar aos céus ali para os lados das Necessidades.
Teria Soares razão?

Pandora

 

Tabus I

Parecia tudo tão longínquo, mas lá acabámos por chegar ao último fim-de-semana de liberdade.
Aceitam-se sugestões para boas recordações para a próxima década.
Pandora

 

O quanto as aves curtiram

Primeiro caso confirmado da doença das vacas loucas na Suécia, o animal infectado é uma vaca leiteira de 12 anos, que morreu devido a febres elevadas.
Zelig

 

Countdown

Depois de esgotados todos os portugueses disponíveis, o presidente Sampaio terá ainda tempo para condecorar algumas emoções. A primeira será a melancolia.
Recomenda-se-lhe, por temperança, que não acorra a belém com demasiada ansiedade.
Perderia o seu agraciamento para a pressa irreflectida.

Dylan T.

 

From Russia, with love

Afinal, Costinha poderá trocar o Irão por Itália.
A serem validadas as conclusões da comissão parlamentar italiana, que pretendem implicar a União Soviética na tentativa de assassinato de João Paulo II, no ano de 1981, o Tribunal de Haia poderá determinar que o jogador português acabe por rumar ao calcio.
O único entrave à concretização da transferência prende-se com algumas dúvidas de carácter teológico sobre o resultado do atentado, uma vez que o anterior Papa viveu por mais 24 anos do que o que estava contratualizado.
Mas também para este cenário as autoridades russas já apresentaram uma solução:
- O Costinha e dois Trabi's.

Dylan T.

 

TEHRAN - BREAKING NEWS

Em virtude das pressões internacionais a Rússia acaba de oferecer Costinha ao Irão em vez do urânio enriquecido!!
Antes de ponderar a oferta, Mahmoud Ahmadinejad aguarda comunicado do MNE português para acalmar os ânimos.
em directo de Tehran,
Bunker

 

Oh pá: o que vocês querem sei eu!

Por favor, não saiam da Sala Oval, Keizer Soze irá fazer um comunicado de imprensa para dizer exactamente o que nós queremos. Será que acerta? Keizer fará o que mais ninguém arriscou, apresentar-se-á vendado.
P.s. Será servido um Porto seguido de uma sessão boundage.

Zelig

quinta-feira, março 2 

Liberdade de enjoo

A minha liberdade de expressão é constantemente assaltada pelos critérios dos editores dos jornais portugueses (e da maioria dos jornalistas) que não publicam factos que a opinião pública merece escrutinar - entre outras coisas porque envolve o emprego dos impostos que paga. Não os publicam porque, segundo eles, certas matérias "não vendem jornais". E tenho mais do que exemplos de que uma "caricaturazinha" mudava logo o caso de figura. Mesmo que nada tivesse que ver com o caso em escrutínio.
Este é o verdadeiro pasmo, para mim: são estes cavaleiros da censura que agora choram porque o Governo se submeteu a fanáticos do islão e não condenou a violência de uma reacção a uma atitude provocatória livremente expressa. E nem isso é verdade, e muito menos é o essencial do problema. Mas se querem concentrar esta iresponsabilidade toda na problemática da liberdade de expressão, então:
Oh pá: o que vocês querem sei eu!
Keizer Soze

 

Nomeações

Cumpre-nos fazer (a mim, ao Dylan e à Pandora) aquilo de que nos vinhamos esquecendo... Ou não. Apesar deste blog ser filho de uma loira de destino trágico, não é descendente de pai incógnito.
Por isso não faz sentido dar as boas vindas à Bunker e ao (à?) Zelig. Não foram convidados.
São criadores originais. Nesta Casa Civil cabe de tudo...
Keizer Soze

 

Million Dollar Babe

Andou Condi em fervoroso périplo pelo Médio Oriente, tentando convencer os governos árabes a juntarem-se aos EUA na sua luta contra os terroristas do Hamas, escolhidos nas urnas naquelas que foram já consideradas as eleições mais justas e livres de todo o mundo árabe. Apresentou a conta e exigiu que fossem restituídos 50 milhões de dólares que os Americanos tão bondosamente haviam doado ao democrata Arafat, respeitado porque facilmente desacreditado quando necessário fosse. Aplicou religiosamente as palavras do amo o subserviente Israel, bloqueando verbas no mesmo valor.
Eis senão quando, vinda de Marte, a UE decide quase triplicar a parada e doar 120 milhões de Euros à AP. Este é mais um marco na já longa caminhada da UE para a sua afirmação como mediador credível num processo de paz invariavelmente apresentado como moribundo.
Para a UE, maior contribuinte da AP, importa agora juntar a fama ao proveito.
Pandora

 

Outsourcing

O ministro francês do interior Nicolas Sarkozy virá esta sexta-feira a Portugal assinar um acordo de cooperação na prevenção e combate a incêndios.
Considerando a sua comprovada experiência na matéria, a próxima época de fogos promete ser um espectáculo inesquecível.
Árvores a atacar incendiários com cocktails molotov.

Dylan T.

 

Those anti-american bastards

chicago tribune la times
the denver postthe boston globethe arizona republicthe washington post
the sacramento beesan francisco chronicle
the dallas morning news



Não diz respeito a desastres naturais em geral ou administrações em particular. Diz muito sobre uma nossa intelligentsia, mais paroquiana que o filtro da sua própria visão do mundo.

Dylan T.

 

A Justidão da Lentiça

John F.,
(De volta ao Mundo do Mais)
A Lentiça é cega e, acrescente-se, surda, muda e tetraplégica. Só cumpre a lei quem quer ser honesto e cumpridor (e mesmo assim à custa de algum esforço) ou quem for mariquinhas. Quem não for nem uma nem outra coisa, safa-se sempre porque o sistema foi feito para cidadãos honestos ou medrosos.
Experimente-se qualquer ilegalidade, desde o não pagamento de multas ao homicídio, passando pela difamação, e um cidadão espertalhão sairá impune, com um suportável grau de aborrecimento, que compensará largamente o resultado obtido.
Um dia, cansado da justidão da lentiça, o povo deixará de acreditar nela. Nesse dia, a lentiça será de todos e nem haverá polícia que proteja o cidadão espertalhão.

Bunker

 

A Democratização dos Perfumes

John F.,
(De volta ao Mundo do Mais)
Bons tempos em que os perfumes eram caros e o povo não os podia comprar. Quem os comprava, sabia o seu valor e usava-os com parcimónia; uma gota a mais e lá vinha a sentença: “Tomaste banho em perfume!”. Sem acesso a perfumes, o povo tinha cheiro a coisas, boas ou más, mas identificáveis.
Com a democracia veio a poluição perfumada. Não só os perfumes democráticos contêm químicos que diminuem a quantidade de essências necessárias para a sua produção, tornando-os muito activos mas baratos, como o povo que os compra acha que quanto mais, melhor.
Contra estas agressões valia a pena a tal revolução…ou mandar-me numa missão mais inodora.

Bunker

quarta-feira, março 1 

Descruzadas

Estou a trabalhar e, em som de fundo, tenho o relato do Portugal - Arábia Saudita.
Às tantas oiço: "Arábia Saudita ao ataque com perigo!"
Num impulso baixei a cabeça...

Keizer Soze

 

OLHA PANDORA:

Mais uma boquinha dessas contra o meu "psicodrama fantasiado" e vou-te à caricatura!
Aaaaiiiiiii! Ãh!
Keizer Soze

 

Minuta

Empresa séria recruta para os seus
quadros especialista em Língua Gestual
M/F/transexual
Condições de admissão
Não sofrer de artrite
Ter cinco dedos em cada mão
Pelo sim pelo não cinco dedos em cada pé
Não ser surdo
Envio de CURRICULUM VITAE com as impressões digitais
actualizadas para Sala Oval A/c de Zelig

 

O mundo em sincronia

Alguém, meio arrumador de carros, meio sem abrigo à porta do Mcdonald´s, no Saldanha, em jeito de pregão, diz:
- Tenho fome, tenho fome!...
- Em passo aceleradoe a entrar, respondo:
- Eu também...



Zelig

 

Uma Breve Explicação da Gripe das Aves

Zelig, na qualidade de Presidente da Associação Internacional das Aves Raras, explica a gripe das aves numa entrevista exclusiva conduzida pelo jornalista pombo correio.
Pombo Correio - Sr. Zelig, porquê este nome "Gripe das Aves"? Não teria sido possível outro nome?
Zelig - A pergunta que faz é muito pertinente. Depois de dois anos de profundo estudo cheguei à conclusão que esse nome "Gripe das Aves" tem origem naquilo a que chamamos Aves. A nossa associação pensou em vários nomes, "A constipação das aves" que não avançou porque o Paulo Branco vai fazer um filme com esse nome, depois ainda se pensou no "Resfriado das aves" mas fazia lembrar um prato de uma qualquer ementa de restaurante, "Angina das aves" mas o editor da revista Gina meteu uma providência cautelar. Não foi fácil, mas lá descobrimos a "Gripe da Aves" um nome muito mais apelativo.
Pombo Correio - Todo este alarme é justificado?
Zelig - Um disparate. As coitadas das aves estão a ser discriminadas, nem uma constipação podem ter que já são consideradas uma ameaça planetária.
Pombo Correio - Quais são, para si, as razões desta constipação?
Zelig - Há várias razões, uma delas passa pela falta de informação existente em África e na Ásia porque aí não há verdadadeiros Serviços Nacionais de Saúde...
Pombo Correio - Falta de informação?...
Zelig - Sim... tome este exemplo... todos nós já ouvimos as recomendações das nossas mães e avós -"vá lá filhinho, netinho, agasalha-te, tem cuidado com as diferenças de temperatura". Isto para dizer que a gripe das aves tem como causa principal as diferenças de temperatura a que as aves estão sujeitas. Bastava dizer-lhes para andarem mais agasalhadas e evitarem o frio-calor-frio, que não faz nada bem.
Pombo Correio - Para terminar, tem alguma proposta para evitar a chamada pandemia?
Zelig - Na Europa já estão a vacinar as aves, por que não um concurso internacional de caçadores para as aves tomarem antibiótico.
Pombo Correio - Como?
Zelig - Muito simples, os caçadores deslocavam-se para as zona de descolagem e começavam a fazer tiro à ave, as munições tinham cápsulas de antibiótico e fazia-se a despistagem da gripe mal levantassem vôo. Claro que este concurso dava margem de manobra para atitudes mais radicais, quem quisesse usar balas verdadeiras estaria à vontade e a produção do Rock in Rio montava uma tenda Vip para esse efeito.
Zelig

 

O belo jogo de amabilidade

Quando Portugal evoluir no relvado, esta noite, diante da Arábia Saudita, espera-se que nenhum jogador seja uma caricatura de si próprio.

Adenda: O jogo será legendado, em teletexto, para espectadores portadores de deficiência auditiva. Inicia-nos o diálogo civilizacional.

Dylan T.

 

Verdade e consequência

Elucida-nos Rui Ramos na ‘Mar lusitano’ que se pode ser de esquerda, mas que na direita, está-se. Pensei que ficassem felizes com este Governo de esquerda que está na direita sempre que é preciso responsabilizar o idoso pelos filhos ingratos que tem ou libertar o contribuinte para alimentar vícios públicos. A verdade é que o Governo de Sócrates não nos mente, vai remediando, aqui e ali, com os meios que o Estado tem, enquanto uma certa direita aplaude em surdina.
Não posso deixar de sentir pena dos coitadinhos dos auto-demonizados da direita. Assim não conseguem encontrar súbditos para aquela que seria a primeira grande revolução de direita - que dizem não querer, escudados por detrás do liberalismo, tão inócuo, tão inofensivo, tão sedento de líderes.
Pandora

 

Eu, abaixo assinada

O mundo está hoje mais hobbessiano, mais imprevisível, mais perigoso. Apetece o refúgio calmo de um país pacato como o nosso. Daqui, tudo parece longínquo. Fundimo-nos na multidão de Spinoza, aquela que não é massa e não segue a carneirada. Pensamos, discutimos, denunciamos, ironizamos. Pouco fazemos.
Para além do psicodrama fantasiado da guerra de civilizações, cumpre-nos travar a guerra que dentro e fora das fronteiras dos Estados sempre existiu. Uma guerra inglória dos que nada têm contra os que nada fazem para que tenham alguma coisa.
Regresso em consciência, pelos filhos de um deus menor.
Pandora

 

Gripe no Islão

John F.,
Damascos em Janeiro e já se sabia o que iria acontecer em Fevereiro. Em casa de Otari tentavam explicar-me a caótica situação nos hospitais provocada pela gripe das aves que se procurava ocultar. O povo não podia saber o que se estava a passar.
A decisão tinha sido tomada mas só seria executada se o Hamas ganhasse e viesse alguém levantar o véu. "Aqui morre-se por um ideal e não por falta de meios para combater uma doença desconhecida".
No Islão, o povo não come aves, só se alimenta espiritualmente do que lê nos jornais.

Bunker